quarta-feira, 20 de julho de 2011

O VERDADEIRO AMOR



Sempre ouvimos frases do tipo: “Deus é amor”, “O amor é a marca do cristão”. Sinceramente creio que o AMOR que temos vivido como povo que se diz pertencente ao Senhor tem sido imensamente falho. Por quê? Pelos simples fato que na maioria das vezes vivemos de retórica, de teoria.
O amor exigido pelo Senhor não é um mero sentimento que nos faz dizer palavras bonitas (embora seja importante falar), ele é muito mais que isso, é o esforço diário e verdadeiro pela glória de Deus através das relações com outras pessoas.
Ao falar sobre o que é ser filho de Deus o apóstolo João enfatiza o amor como marca fundamental da filiação que recebemos em Cristo. No terceiro capítulo de sua primeira carta ele diz: “Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade” (1Jo 3.18). Mas o que João estava querendo nos ensinar?
Parece-me que o grande objetivo do apóstolo é deixar claro que o povo de Deus ama de forma prática, preocupando-se com todos os aspectos da vida de seu irmão, desejando o seu bem e agindo com todas as suas forças, empregando os mais intensos esforços para que tal desejo seja realizado. Isso fica muito claro no verso 16 quando lemos que assim como Cristo se deu por nós, devemos estar dispostos a dedicar-nos em favor dos nossos amados irmãos.
O Senhor Jesus sempre nos chamou a viver uma religião prática e nunca a apenas assimilar um conjunto de leis. Ele próprio em todo tempo vivenciou o amor da forma mais intensa. O Deus imutável tomou forma humana, habitou entre nós, deu-se na cruz do calvário em nosso lugar. Isso é amor!
Eu e você, como povo d´Ele, somos convocados a deixar de lado esse falso amor vivenciado em nossos dias. É preciso que larguemos o egoísmo, abandonemos as práticas hipócritas de um amor representado em um mero discurso com curtas frases do tipo: “Deus lhe abençoe” e “eu quero ser um bênção pra você”. A igreja de Cristo deve URGENTEMENTE vivenciar em VERDADE e em AÇÃO o segundo grande mandamento.
Quando houver em cada um de nós o sincero desejo pelo bem do outro, seremos movidos pelo imenso desejo de promover a glória do Senhor através da sincera busca pelo bem daqueles amados d´Ele e nossos. Transformaremos as frases em ações. O “Deus lhe abençoe” será mais amplo, pois terá o complemento ATRAVÉS DE MIM! O “eu quero ser uma bênção pra você” terá o sentido de AGORA. Quando isso acontecer seremos mais povo, mais amigos, mais irmãos... Quando o amor for menos teórico meus irmãos, estaremos andando mais perto de Deus e com toda certeza poderemos novamente cantar em verdade a antiga canção: “Como é doce a comunhão dos remidos do Senhor! Como é doce a comunhão dos remidos em amor! Comunhão contigo, sim, da igreja, óh Senhor! Expressão da Tua graça e teu amor Como é doce a comunhão dos remidos do Senhor. Como é doce a comunhão dos remidos do Senhor. Comunhão contigo, sim, no aprisco, ó Pastor. Expressão da tua glória e teu amor.”.
Que o AMOR (1Jo 4.8) nos abençoe!

Um abraço,

Caco

Nenhum comentário:

Postar um comentário